Gestão de frotas e economia de custos: uma relação estreita e fundamental

0 Flares Twitter 0 LinkedIn 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

A gestão de frotas leves ou pesadas, além de aumentar a segurança, preservando vidas de condutores e demais envolvidos no trânsito por reduzir o risco de fatores causadores de acidentes, também possibilita gerar economia significativa.

Por meio da identificação e consequente monitoramento de itens fundamentais para o bom uso de carros, motos, ônibus, caminhões e máquinas de frotas corporativas, soluções desta linha criam uma visão abrangente e detalhada sobre itens que, se não controlados, podem significar perda de dinheiro em gastos desnecessários com desperdício de combustível, manutenção, seguro, reposição ou até má distribuição de veículos.

A coleta de dados:

Alguns destes itens ganham ainda mais precisão – e, por conseguinte, facilitam ainda mais a economia – quando têm seus dados coletados por meio de barramento CAN (Controlled Area Network), tecnologia que – ao contrário do GPS, cujas informações são estimadas – coleta os itens diretamente da central eletrônica do veículo, indicando com alta precisão dados como os do odômetro, RPM, velocidade, consumo de combustível, entre outros.

Com isso, os gestores de frota ganham um ferramental importante para identificar se o funcionamento geral de cada veículo está como esperado, se há comportamentos/usos indevidos, se há potenciais falhas ou pontos de mudança/melhoria. Isso pode gerar economia ao permitir o cálculo de prazos de manutenção preventiva e corretiva, como trocas de óleo, filtros, abastecimentos, entre outros, mantendo e expandindo a vida útil da frota, evitando paradas ou gastos com consertos que poderiam ter sido evitados. Tudo isso se traduz em economia.

Monitoramento por cercas:

Outro diferencial da gestão de frotas é o monitoramento via cercas eletrônicas remotas ou embarcadas, que permite saber com precisão a localização dos veículos e controle de tempos de entrada, saída e permanência em pontos de interesse da empresa. De posse destes dados, a companhia pode identificar a ociosidade da frota, tempo de estadia em oficina ou de parada nas bases, acesso a áreas restritas, entre outros, melhorando as decisões sobre distribuição dos recursos de acordo com as demandas de cada unidade ou local.

Ou seja: nada de veículos parados em uma base e faltando em outra, baixando a produtividade. Nada de veículos estagnados em oficina por tempo acima do necessário. Nada de veículos sendo usados em trajetos não autorizados – como, por exemplo, para uso pessoal dos condutores -, gastando mais recursos do que o recomendado.

O segmento elétrico

Para alguns setores em específico, a gestão de frotas traz ainda mais benefícios voltados à economia. No segmento elétrico, por exemplo, há a possibilidade de gerenciamento de uso do cesto aéreo. O equipamento, utilizado para sustentar profissionais durante reparos em altura, não requer que o caminhão ao qual está acoplado, permaneça com o motor ligado. Porém, em muitos casos, as equipes acabam deixando os veículos ligados, acarretando gasto desnecessário de combustível.

Quando se leva em conta que as frotas das companhias de energia elétrica possuem diversos caminhões com cesto aéreo funcionando por muitas horas ao longo do ano, o cálculo do total desperdiçado quando se usa o cesto com o motor do veículo ligado chega a milhões de reais.

Um exemplo que deixa claro tal desperdício: com a telemetria da Creare Sistemas, registramos, em um de nossos clientes, uma média de uso de cesto aéreo com veículo ligado de 2,5 horas por dia, sendo que meia hora de veículo ligado seria mais do que suficiente para a realização do serviço. Assim, as 2 horas restantes eram desperdiçadas.

Sabendo que 2 horas de um motor ligado em um veículo parado equivalem a um consumo aproximado de 8 litros de diesel, num regime de operação 24×7 para uma frota com mais de 700 veículos, que era a do cliente em questão, foi possível calcular que o desperdício ultrapassava os R$ 6 milhões ao ano.

Com esta informação à vista, o gestor pode instruir as equipes e evitar esta perda, direcionando melhor os recursos. Mais uma vez, economia.

Monitoramento para Economia

Controle do bom ou mau uso dos veículos, da jornada de trabalho, das ocorrências em infrações de trânsito, de rotas executadas e distâncias percorridas, registros de eventos de rotação ou velocidades excessivas, identificação de habilitações e itens de manutenção a vencer… São inúmeros os dados que podem ser monitorados com o uso de tecnologia para gestão de frotas. E todos eles permitem poupar dinheiro do caixa das empresas e otimizar o direcionamento dos recursos.

Se vamos falar de frotas, vamos falar de gestão bem equipada e tecnológica. Ou, então, falemos de perda de capital – mas este é um assunto que nenhum gestor quer em sua pauta.

0 Flares Twitter 0 LinkedIn 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×